Memória da Música

> Banco de Dados - História e música na universidade

Tom Jobim e a modernidade musical brasileira: 1953-1958.

Tipo de documento:
Dissertação de mestrado

Autor:
Fábio Guilherme Poletto

Orientador:
Marcos Francisco Napolitano de Eugênio

Local:
UFPR

Data:
2004

Publicação - Livros / Artigos

Palavras-chave:
Década de 1950; Música Popular; Bossa Nova; Antônio Carlos Jobim; Rio de Janeiro

Resumo:
Dissertação em formato digital:
http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/2289/2/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20de%20Mestrado%20_Vers%C3%A3o%20Final_.pdf

Este trabalho aborda e problematiza a trajetória do compositor Antônio Carlos Jobim no período anterior ao surgimento da Bossa Nova, mais precisamente, no intervalo entre os anos 1953-1958. Com o surgimento e ascenção da Bossa Nova como projeto de canção moderna, organizam-se também novos critérios para a avaliação de obras musicais, que trazem consigo não só a consagração de Tom Jobim como principal articulador do “movimento”, mas também a desqualificação de elementos considerados ultrapassados esteticamente. No entanto, a atuação de Jobim neste momento de redefinição do gosto musical reflete uma multiplicidade de projetos, refletidos em obras que apontam tanto para elementos posteriormente incorporados quanto rejeitados pela estética bossanovista. Através de fontes escritas e musicais expomos e analisamos os meandros desta trajetória, bem como a percepção da crítica de viés histórico sobre o tema.

Fontes:
Jornal A noite, 22/09/1952
Jornal O Globo, 02/07/1956
Jornal O Globo, 25/08/1956
Jornal Última Hora, 26/09/1956
Jornal Diário de Notícias, 26/09/1956
Jornal Tribuna da Imprensa, 28/11/1957
Revista Manchete,12/11/1953
Revista Manchete, 13/10/1956
Revista Manchete, 07/02/1959 “O caderno de viagens de Vinícius de Morais”
Revista Manchete, 04/04/1959 “Caderno de viagem”
Revista Manchete, 09/05/1959
Revista Manchete, 20/06/1959 “As sete notas e o Tom”
Revista Manchete, 18/07/1959 “As cantoras da nova safra”
Revista Manchete, 10/10/1959
Revista Manchete, 10/10/1959 “Vozes que fizeram o Rádio”
Revista Manchete, 17/10/1959 “O magnata do verso: Adelino Moreira”
Revista Manchete, 05/12/1959 “Bossa Nova”
Revista de Música Popular, no. 1, Setembro/1954
Revista A cigarra, Janeiro/1956
Revista do Globo, 03/11/1956
Jornal Correio da Manhã, 26/04/1959
Revista Sétimo Céu, 2ª quinzena, Novembro/1959

Discografia:

JOBIM, Antonio Carlos. Meus primeiros passos e compassos. Curitiba: Revivendo,
RVCD-110.
_______, Tom. Raros compassos. Curitiba: Revivendo, RVCD, 3 volumes.
_______, Tom. Tom canta Vinícius. Rio de Janeiro: Jobim Music, AA4000. Ao vivo, 1990.

Bibliografia específica:
CABRAL, Sérgio. Antônio Carlos Jobim: uma biografia. Rio de Janeiro: Lumiar, 1997.
545 p.
_________. T de Tempos de Bossa Nova, IN: ABC do Ségio Cabral: um desfile dos
craques da MPB. Rio de Janeiro: CODECRI. 1979
___________. A MPB na Era do Rádio. São Paulo: Moderna, 1996, 111p.
CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da
modernidade. São Paulo: Edusp, 2000
CONTIER, Arnaldo Daraya. Música e História. Revista de História, no. 119, p. 69-89.
_____________. Música no Brasil: História e Interdisciplinariedade Algumas
Interpretações (1926-1980) In: História em debate. Atas do XVI Simpósio Nacional de
História, ANPUH/CNPQ, Rio de Janeiro, 1991, p. 151-189.
LENHARO, Alcir. Cantores do Rádio: a trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio
artístico de seu tempo. Campinas: Editora da UNICAMP. 1995
MEDAGLIA, Júlio. 25 anos de Bossa Nova. In. Vários. Folha de S. Paulo Folhetim,
19/12/1984.
MORAES, José Geraldo Vinci de. História e Música: canção popular e conhecimento
histórico. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, no. 39, p. 203-221. 2000.
MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974). Ensaios 30. 4ª
Edição. São Paulo: Atica, 1978.
NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: Engajamento político e Indústria Cultural na
trajetória da Música Popular Brasileira (1959/1969). Tese de doutorado. USP. 1998a, 2
vol.
_________________.A música popular brasileira nos anos 60: apontamentos para um
balanço historiográfico. Revista História: Questões & Debates, Curitiba, no. 28, p. 123-149,
1998b. Editora da UFPR
_________________.Tradição e Modernidade: João Gilberto e a Revolução Musical
Brasileira. Revista História: Questões & Debates, Curitiba, no. 31, p. 145-151, 1999.
Editora da UFPR
_________________. “Já temos um passado”: 40 anos do LP Chega de Saudade. Latin
American Music Rewiew, Volume 21, no. 1, Spring/Summer 2000, p. 59-65
140
________________ & VILLAÇA, Mariana. O tropicalismo: relíquias do Brasil em debate.
Revista Brasileira de História, vol. 18, no. 35, São Paulo. Edição eletrônica.
_________________. História e Música: História Cultural da Música Popular. Belo
Horizonte: Autêntica. 2002. 117 p.
NAVES, Santuza Cambraia. O violão Azul: modernismo e música popular. Rio de Janeiro:
Fundação Getúlio Vargas. 1998. 236 p.
________. Da Bossa Nova à Tropicália: contenção e excesso na música popular. Revista
Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, no. 43. São Paulo, jun. 2000. ISSN 0102 – 6909.
NESTROVSKI, Arthur. Notas musicais: do Barroco ao Jazz. São Paulo: Publifolha, 2000.
239 p.
ORTIZ, Renato. A Moderna Tradição Brasileira: Cultura Brasileira e Indústria Cultural.
São Paulo: Brasiliense, 1988, 222 p
TINHORÃO, José Ramos. História Social da Música Popular Brasileira. São Paulo:34,
1998, 368 p.
___________. Música popular: um tema em debate. 3ª Edição. São Paulo: 34, 1997.
TATIT, Luiz. Semiótica da Canção – melodia e letra. São Paulo: Escuta, 1994, 294p.
____________. O Cancionista: Composição de Canções no Brasil. São Paulo: Edusp,
1996, 322p.
WISNIK, José Miguel. Algumas questões de música e política no Brasil. In: Bosi, Alfredo
(org.) . Cultura e Política. Temas e situações. São Paulo: Ática, 1987, p. 114-123.

apoios

2014 © Entre a Memória e a História da Música.